Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dona Pavlova

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Dona Pavlova

10
Jan19

Um dia isto tinha que acontecer (Mia Couto)

Dona Pavlova

Este texto é antigo, mas tão atual.... 

UM DIA ISTO TINHA QUE ACONTECER (por Mia Couto)

Está à rasca a geração dos pais que educaram os seus meninos numa abastança caprichosa, protegendo-os de dificuldades e escondendo-lhes as agruras da vida. 
Está à rasca a geração dos filhos que nunca foram ensinados a lidar com frustrações. 
A ironia de tudo isto é que os jovens que agora se dizem (e também estão) à rasca são os que mais tiveram tudo. Nunca nenhuma geração foi, como esta, tão privilegiada na sua infância e na sua adolescência. E nunca a sociedade exigiu tão pouco aos seus jovens como lhes tem sido exigido nos últimos anos.
Deslumbradas com a melhoria significativa das condições de vida, a minha geração e as seguintes (actualmente entre os 30 e os 50 anos) vingaram-se das dificuldades em que foram criadas, no antes ou no pós 1974, e quiseram dar aos seus filhos o melhor.
Ansiosos por sublimar as suas próprias frustrações, os pais investiram nos seus descendentes: proporcionaram-lhes os estudos que fazem deles a geração mais qualificada de sempre (já lá vamos...), mas também lhes deram uma vida desafogada, mimos e mordomias, entradas nos locais de diversão, cartas de condução e 1.º automóvel, depósitos de combustível cheios, dinheiro no bolso para que nada lhes faltasse. Mesmo quando as expectativas de primeiro emprego saíram goradas, a família continuou presente, a garantir aos filhos cama, mesa e roupa lavada.
Durante anos, acreditaram estes pais e estas mães estar a fazer o melhor; o dinheiro ia chegando para comprar (quase) tudo, quantas vezes em substituição de princípios e de uma educação para a qual não havia tempo, já que ele era todo para o trabalho, garante do ordenado com que se compra (quase) tudo. E éramos (quase) todos felizes.
Depois, veio a crise, o aumento do custo de vida, o desemprego, ... A vaquinha emagreceu, feneceu, secou.
Foi então que os pais ficaram à rasca.
Os pais à rasca não vão a um concerto, mas os seus rebentos enchem Pavilhões Atlânticos e festivais de música e bares e discotecas onde não se entra à borla nem se consome fiado.
Os pais à rasca deixaram de ir ao restaurante, para poderem continuar a pagar restaurante aos filhos, num país onde uma festa de aniversário de adolescente que se preza é no restaurante e vedada a pais.
São pais que contam os cêntimos para pagar à rasca as contas da água e da luz e do resto, e que abdicam dos seus pequenos prazeres para que os filhos não prescindam da internet de banda larga a alta velocidade, nem dos qualquercoisaphones ou pads, sempre de última geração.
São estes pais mesmo à rasca, que já não aguentam, que começam a ter de dizer "não". É um "não" que nunca ensinaram os filhos a ouvir, e que por isso eles não suportam, nem compreendem, porque eles têm direitos, porque eles têm necessidades, porque eles têm expectativas, porque lhes disseram que eles são muito bons e eles querem, e querem, querem o que já ninguém lhes pode dar!
A sociedade colhe assim hoje os frutos do que semeou durante pelo menos duas décadas.
Eis agora uma geração de pais impotentes e frustrados.
Eis agora uma geração jovem altamente qualificada, que andou muito por escolas e universidades mas que estudou pouco e que aprendeu e sabe na proporção do que estudou. Uma geração que colecciona diplomas com que o país lhes alimenta o ego insuflado, mas que são uma ilusão, pois correspondem a pouco conhecimento teórico e a duvidosa capacidade operacional.
Eis uma geração que vai a toda a parte, mas que não sabe estar em sítio nenhum. Uma geração que tem acesso a informação sem que isso signifique que é informada; uma geração dotada de trôpegas competências de leitura e interpretação da realidade em que se insere.
Eis uma geração habituada a comunicar por abreviaturas e frustrada por não poder abreviar do mesmo modo o caminho para o sucesso. Uma geração que deseja saltar as etapas da ascensão social à mesma velocidade que queimou etapas de crescimento. Uma geração que distingue mal a diferença entre emprego e trabalho, ambicionando mais aquele do que este, num tempo em que nem um nem outro abundam.
Eis uma geração que, de repente, se apercebeu que não manda no mundo como mandou nos pais e que agora quer ditar regras à sociedade como as foi ditando à escola, alarvemente e sem maneiras.
Eis uma geração tão habituada ao muito e ao supérfluo que o pouco não lhe chega e o acessório se lhe tornou indispensável.
Eis uma geração consumista, insaciável e completamente desorientada.
Eis uma geração preparadinha para ser arrastada, para servir de montada a quem é exímio na arte de cavalgar demagogicamente sobre o desespero alheio.
Há talento e cultura e capacidade e competência e solidariedade e inteligência nesta geração?
Claro que há. Conheço uns bons e valentes punhados de exemplos!
Os jovens que detêm estas capacidades-características não encaixam no retrato colectivo, pouco se identificam com os seus contemporâneos, e nem são esses que se queixam assim (embora estejam à rasca, como todos nós).

Chego a ter a impressão de que, se alguns jovens mais inflamados pudessem, atirariam ao tapete os seus contemporâneos que trabalham bem, os que são empreendedores, os que conseguem bons resultados académicos, porque, que inveja! que chatice!, são betinhos, cromos que só estorvam os outros (como se viu no último Prós e Contras) e, oh, injustiça!, já estão a ser capazes de abarbatar bons ordenados e a subir na vida.
E nós, os mais velhos, estaremos em vias de ser caçados à entrada dos nossos locais de trabalho, para deixarmos livres os invejados lugares a que alguns acham ter direito e que pelos vistos - e a acreditar no que ultimamente ouvimos de algumas almas - ocupamos injusta, imerecida e indevidamente?!!!
Novos e velhos, todos estamos à rasca.
Apesar do tom desta minha prosa, o que eu tenho mesmo é pena destes jovens.
Tudo o que atrás escrevi serve apenas para demonstrar a minha firme convicção de que a culpa não é deles.
A culpa de tudo isto é nossa, que não soubemos formar nem educar, nem fazer melhor, mas é uma culpa que morre solteira, porque é de todos, e a sociedade não consegue, não quer, não pode assumi-la. Curiosamente, não é desta culpa maior que os jovens agora nos acusam.
Haverá mais triste prova do nosso falhanço?

15
Ago15

O Fenómeno Tony Carreira

Dona Pavlova

Este senhor está hoje na minha terra, mais propriamente na Feira de S. Mateus e vocês não imaginam a quantidade de pessoas, ou melhor, de mulheres que já estão alapadas em frente ao palco desde as 9 da manhã. O concerto é só às 22h.

Além disto, há outras coisas que me fazem uma certa confusão, e que por mais que puxe pelos neurónios não consigo entender. E é claro que não me vou dedicar ao gosto musical de cada um, porque cada pessoa é livre de gostar daquilo que quer e não é disso que estou a falar. Mas podem já ficar a saber que não gosto!

tony.jpg

 

 Mas vamos então ao que não entendo:

- O que motiva esta mulherada a estar mais de 12 horas, ao sol e ao calor, à espera do concerto?

- O que querem estas mulheres quando dizem: "Tony faz-me um filho"? Ou como na imagem: "Dá-me as tuas cuecas".

- O que vão fazer para lá os maridos?

- Porque é que ficam histéricas e vão para lá de saltos e todas maquilhadas?

- Porque é que parece que é o Dia da Mulher nesse dia? Elas vão em grupos e os filhos ficam em casa.

...

 

O G viu-me a fazer este post e disse que me ia esclarecer e assim, aqui estão as respostas dele:

- Não têm mais nada que fazer.

- Os namorados/maridos são estéreis e não têm cuecas.

- Guardar as mulheres, porque estão com medo que elas não voltem ou é para se certificarem que elas não voltam mesmo!

- Vão de saltos para verem melhor e estarem mais altas, e maquilhadas para espantarem os mosquitos, tipo espantalho.

-  Vão em grupo, porque fica mais barata a entrada. E os  filhos ficam em casa para não verem as tristes figuras que as mães fazem.

 

Estas respostas do G estão muito boas e esclareceram-me completamente ;)

 

PS: Não lhe liguem lol

 

14
Ago15

O Jesus também me ligou

Dona Pavlova

Pois é, andam todos a queixarem-se que o Jesus mandou sms e ligou aos jogadores do benfica... pois  tenho a dizer-vos que ontem também me ligou! Acho que anda viciado no novo telemóvel que comprou

 

jesus.jpg

 

Para esclarecer, ele ligou-me mesmo, para mim e para todos os sócios do Sporting. Já é um hábito ligarem com gravações de jogadores, do presidente e do treinador, quer para ir a um jogo, ou no caso de ontem,o Jesus ligou para eu não me esquecer de comprar a Gamebox.

08
Ago15

Notas "inflacionadas"

Dona Pavlova

O Expresso diz hoje aqui que o Ministério da Educação disponibiliza dados que permitem fazer o rankings das secundárias. Os Colégios do Norte estão entre as escolas que apresentam maiores desvios entre as notas dadas aos alunos e as que eles obtêm nos exames nacionais. Além disso, ainda há 15 escolas que se repetem (nos últimos 5 anos) nas notas "inflacionadas", ou seja, têm desvios maiores das notas internas comparativamente aos exames. 11 destas escolas são privadas.

notas.jpg

 

Para mim, isto não é novidade nenhuma, mas saber-se disto, ter dados específicos das escolas em questão e não se fazer nada é no mínimo vergonhoso.  

Daqui eu tiro uma só conclusão: quem tem dinheiro vai para as escolas privadas. Quem está no privado tem notas inflacionadas. Quem tem notas inflacionadas entra na faculdade nos melhores cursos. Quem entra na faculdade nos melhores cursos tem maior probabilidade de ter um futuro profissional melhor. Quem tem um futuro profissional melhor terá mais dinheiro. E assim sucessivamente...

 

Isto é muito desonesto, injusto e enoja-me profundamente!!!

 

 

19
Mai15

O Poder das Estrelas

Dona Pavlova

O diplomata norueguês Charung Gollar, foi incumbido de apresentar, na ONU, um gráfico que mostrava os principais problemas que preocupam o mundo.

Apresentou uma série de oito gráficos, intitulado 'O Poder das Estrelas'... 
 Foi aplaudido de pé! 


 

Vejam os gráficos que ele apresentou:

Simplesmenteespetacular.002.jpg

 Legenda: vermelho - pessoas infetadas com o HIV

                 preto - pessoas infetadas com o vírus da Malária

                 amarelo - pessoas que têm acesso a cuidados médicos

 

Simplesmenteespetacular.003.jpg

 

Legenda: vermelho - crianças que morrem antes de completar 1 ano

                verde - crianças que morrem antes de completar 3 anos

                amarelo - crianças que alcançam a idade adultaSimplesmenteespetacular.004.jpg

Legenda: azul - mulheres que sofrem mutilação genital

                branco - mulheres que não sofrem mutilação genital 

Simplesmenteespetacular.005.jpg

 Legenda: vermelho - exportação de bananas

                 azul - exportação de café

                 amarelo - exportação de cocaína

Simplesmenteespetacular.006.jpg

 Legenda: vermelho - menores de 14 anos que trabalham

                 amarelo - menores de 14 anos que estudam

Simplesmenteespetacular.007.jpg

 Legenda: verde - pessoas que vivem com menos de 10 dólares por mês

                 amarelo - pessoas que vivem com menos de 100 dólares por mês

                 azul - pessoas que vivem com menos de 1000 dólares por mês

                 branco - pessoas que vivem com mais de 100.000 dólares por mês

Simplesmenteespetacular.008.jpg

 Legenda: azul - consumo de petróleo

                 amarelo - produção de petróleo

Simplesmenteespetacular.009.jpg  Legenda: vermelho - a favor da guerra no Iraque

                  branco - contra a guerra no Iraque

                  azul - não sabe onde é o Iraque

 

 

 É simplesmente espetacular! Não acham?

 

 

12
Mai15

Acordo Ortográfico obrigatório

Dona Pavlova

A partir de amanhã, dia 13 de Maio, o período de transição para o Acordo Ortográfico atinge os 6 anos, e por isso passa a ser obrigatório utilizá-lo.

acordo ortográfico.jpg

 (imagem retirada da net)

 

Sou contra a adoção deste acordo, mas por motivos profissionais, sou obrigada a usá-lo e a ensiná-lo. Confesso que de vez em quando não o utilizo, e que nem me lembro sequer de o usar, pois estou de tal maneira concentrada no que estou a fazer, que me passa ao lado. Porém, a partir de amanhã é que vai ser... 

Para quem ainda tem algumas dúvidas, fica aqui uma ajuda para o perceberem e utilizarem corretamente:

 

- O alfabeto passa a ter 26 palavras, incluindo o Y (vogal), o K (consoante) e o W (consoante ou vogal conforme as palavras);

- Passam a ser escritas com minúsculas as seguintes palavras/grupos de palavras:

               - os nomes dos meses;

               - os dias da semana;

               - os nomes dos pontos cardeais e colaterais;

- A utilização de Maiúsculas irá ser utilizada de acordo com a vontade de cada um, nos seguintes casos:

               - títulos de livros ou obras literárias;

               - formas de tratamento, mesmo as que incluem cortesia;

               - nomes de disciplinas, cursos ou outros domínios do saber;

              - logradouros públicos, edifícios ou monumentos;

- Desaparecem as consoantes mudas integrantes de cc, cç, ct, pc, pç e pt;

- Supressão de acentos gráficos nas seguintes situações:

              - nos verbos da 2ª conjugação, 3ª pessoa do plural do presente do indicativo ou do conjuntivo (creem, deem, leem, etc...);

              - nas formas acentuadas do verbo aguir;

              - nas palavras graves com ditongo oi (asteroide, heroico, etc...);

              - acento grave nas palavras homógrafas (palavras com a mesma grafia, mas que se pronunciam de forma diferente);

- Supressão dos hífens acontece nos seguintes casos:

             - prefixo terminado em vogal e o elemento seguinte começa por r ou s (contrarelógio, minissaia, microssitema, etc...);

            - ligação da preposição de com formas monossilábicas do presente do indicativo do verbo haver (hei de, hás de, há de,, etc...);

           - prefixo terminado em vogal e o elemento seguinte começa com uma vogal diferente (autoestrada, extraescolar, plurianual, etc...);

- Mantém-se o hífen nas seguintes situações, com a excepção do prefixo co:

            - prefixo termina em vogal e o elemento seguinte começa com essa mesma vogal (micro-ondas, semi-interno, etc....);

            - palavras que designam espécies das áreas botânica e zoológica.

 

 

FONTE 1FONTE 2

05
Mai15

Kate, a super-mulher!

Dona Pavlova

Em conversa com amigas, algumas mães, todas são da opinião que a Kate ou é a super-mulher moderna, ou então a história está mal contada. Não é por acaso que são já várias as versões acerca do parto mais famoso do mês. A mais apoiada é a que a  Charlotte nasceu uns dias antes do anúncio oficial e da saída da Kate da maternidade. 

Eu acho que a Kate está demasiadamente bem, fisicamente, para ter sido mãe a apenas 10 horas... aliás, acho que são poucas as mães que estão com paciência para lhe enrolarem/esticarem o  cabelo depois de "parirem". Ou também pode ser que o cabelo dela seja sempre assim, lindo e magnífico... Que inveja!!! 

Apesar das más-línguas, parabéns ao casal ;)

 

Kate.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D