Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dona Pavlova

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Dona Pavlova

27
Set19

desafio de escrita dos pássaros #3

Dona Pavlova

 No penúltimo dia de férias,  como planeado anteriormente, lá fui eu a Coimbra levar a 1ª pica na nádega direita. Seguiu-se um dia de praia incrível com tudo a que tive direito.

No dia seguinte, dia de regresso a casa e passagem por Coimbra para a 2ª pica, desta vez na nádega esquerda. O meu rabo, nesse dia, valia milhares de euros ;) Tinha um rabo que era uma preciosidade ;).

Seguiu-se a chegada a casa e os afazeres do regresso das férias. A somar a isto, tive que fazer uma malinha minúscula, apenas com o essencial para ir passar os próximos ¾ dias no quarto do castigo, totalmente isolada, para o tratamento com iodoterapia (Iodo 131).Resultado de imagem para iodoterapia

 Cheguei em jejum, tomei as “bombas”, despedi-me dos meus entes e lá fui eu para o quarto do castigo, ou melhor, uma suite toda ela forrada com papel aderente, assim como o wc. Duas janelas trancadas, uma cama, uma tv e mais nada. Tinha regras bem definidas, como puxar o autoclismo pelo menos 3 vezes, quando batiam à porta para me trazerem a alimentação ou para me medirem a radiação tinha que ir para o local mais afastado do quarto e fazer bochechos com sumo de limão para facilitar a salivação (esta foi a parte que menos me custou, pois adoro limão).

É claro que aqui a menina tinha que ter os efeitos secundários todos a que tinha direito e mais alguns incluindo vomitar, dor e inchaço nas glândulas salivares e espasmos. Foi um pincel para me irem colocar o soro, pois não me conseguia alimentar. Que filme!

Passado 3 dias lá vou eu para casa, com indicações de não me aproximar das pessoas e estar a pelo menos 2metros de distância, comer e beber em utensílios descartáveis que depois iam para o lixo e evitar estar no mesmo compartimento que outras pessoas... O meu marido foi-me buscar numa carrinha, ele à frente e eu o mais longe possível nos bancos de trás. Quando não podemos é quando nos apetece abraçar, falar, rir, brincar... Sentia-me um alien, mas apenas estava radioativa. Isto durou 10 dias.

Este momento marcou-me muito e todos os dias, além de só dar valor ao que e a quem realmente interessa, a primeira coisa que faço quando acordo é abrir a janela, meter a cabeça de fora e snifar o ar frio para sentir que estou bem e acima de tudo, viva!

20
Set19

desafio de escrita dos pássaros #2

Dona Pavlova

O Amor e um estalo

Será um estalo uma forma de amor?

Depende:

 -  Uma palmada numa criança quando está a fazer ou a dizer o que não deve, não faz mal nenhum. Já diz o ditado “uma bofetada na hora certa faz milagres!”  Atenção que é uma palmada corretiva, não um espancamento!

Confesso que este tema me dá tal comichão que nem um banho com maizena me alivia... No outro dia, no meio das lides da casa, ouvi alguém dizer na tv que nunca tinha batido nos filhos, nem uma palmada sequer, e que quando eles se portavam mal, conversava com eles e tirava-os da situação que despontava o mau comportamento. Ou seja, vamos trocar isto por miúdos, esta senhora vai às compras, a criança começa a fazer uma birra e ela, muito calma e educadamente, pára de fazer as compras necessárias e vai embora com a dita cuja. No dia seguinte vai às compras, mas sozinha, para a criança não a envergonhar!

Lido com crianças diariamente e talvez por termos chegado a extremos deste tipo é que as  crianças estão mal educadas, não respeitam nada nem ninguém, pensam que tudo lhes é permitido, não aceitam um NÃO e só olham para o seu umbigo. Já assisti a situações muito tristes em que são as próprias crianças, com 6 e 7 anos, que dizem aos pais “se me bates eu vou-te acusar” e os pais deixam-se ir na cantiga... permitem tudo e mais alguma coisa.

“Ai meu rico filho, levavas um rico estalo na hora e depois podias ir acusar-me de te estar a educar... “

 

 - Já quando se trata de violência doméstica, infelizmente o prato nosso de cada dia, ao contrário do que muitos acreditam, um estalo não é um ato de amor, mas sim um ato de cobardia. Quantas vezes é que as pessoas até sabem o que se passa e permanecem caladas e seguem o ditado “entre marido e mulher não se mete a colher” à risca. Depois quando acontece uma desgraça é que se dão conta que afinal podiam ter feito uma queixa, ou então não... Cada vez mais vivemos numa sociedade que só olha para o seu umbigo, que diz “se não és minha/meu também não és de mais ninguém”, tratam-se as pessoas como se fossem objetos e propriedades, sem respeito e sem nenhum amor ou compaixão. Para além disto, o nosso sistema judicial também não ajuda e, muitas vezes, as vítimas é que têm que deixar de ser livres e de viver, parecendo criminosos.

 

19
Set19

O meio ambiente

Dona Pavlova

Li isto por aí, gostei e tive que partilhar:

Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:
- A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que
sacos de plástico não são amigáveis com o ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:
- Não havia essa onda verde no meu tempo.
O empregado respondeu:
- Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com o nosso meio ambiente.

- Você está certo - respondeu a senhora. Nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.
Realmente, não nos preocupamos com o ambiente no nosso tempo.
Até as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. A secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas secadoras elétricas. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas.
Mas é verdade: não havia preocupação com o ambiente, naqueles dias. Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela de 14 polegadas, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado, como não sei.
Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia batedeiras elétricas, que fazem tudo por nós. Quando enviávamos algo frágil pelo correio, usávamos jornal velho como proteção, e não plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.
Naqueles tempos não se usava motor a gasolina para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam à eletricidade.
Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos água diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.
Na verdade, não tivemos uma onda verde naquela época. Naquele tempo, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus coletivos e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar os pais como serviço de táxi 24 horas.
Então, não é incrível que a atual geração fale tanto em "meio ambiente", mas não queira abrir mão de nada e não pense em viver um pouco como na minha época!

Agora que você leu esse desabafo, envie para os seus amigos que têm
mais de 50 anos de idade, e para os jovens que tem tudo nas mãos e só sabem criticar os mais velhos!!!

Uma aula gratuita ministrada por uma idosa considerada ultrapassada.

 

 

17
Set19

Solução desafio escrita dos pássaros #1

Dona Pavlova

Como o prometido é devido, aqui fica a solução do desafio escrita dos pássaros #1.

As participações foram às centenas e por isso ainda não consegui apurar o vencedor.  Se calhar compliquei um bocadito e até eu me baralhei (alterei o 1º problema e fica assim): 

1 - A Magda deu à Alexandra e à Caracol algumas sementes. Posteriormente a Alexandra deu metade das suas sementes à Caracol, depois a Caracol deu metade das que tinha à Alexandra. Quantas sementes deu a Magda à Alexandra, se agora ela tem 17 sementes e à Caracol  que tem agora 9 sementes? 

Solução:

O problema precisa ser solucionado a partir do final. Sabemos que a Caracol ficou com 9 sementes depois de ter dado a metade à Alexandra. Isso significa que, antes, ela tinha 18. Como a Alexandra terminou com 17 sementes, portanto tinha 8. Assim, ela recebe o dobro de sementes da Magda, ou seja, 16. Considerando que havia no total 17 + 9 = 26 sementes, então a Magda entregou 26 — 16 = 10 sementes à Caracol.

 

2 - A Drama Queen  e a Fatia Mor ficaram chateadas por não terem entrado no problema 1 e resolveram levar uma cesta cheia de sementes aos 3  pássaros restantes. À Just Smile deram metade das sementes e mais meia semente. Para a Mula, deram metade das sementes que sobraram e mais meia semente. Para o Coiso, deram metade das sementes que sobraram e mais meia semente, ficando sem nenhuma semente. Quantas sementes havia na cesta?

Solução:

 Mais uma vez, devemos resolver este problema de trás para a frente. 

Ao presentear o Coiso, acabaram as sementes. Portanto, nesse momento a Drama e a Fatia só tinham 1 semente, ou seja:

metade da semente (0,5) + meia semente (0,5) = 1 semente

Antes de presentear a Mula: 

(1+0,5) * 2 = 3 sementes na cesta 

Antes de presentear a Just:

(3+0,5) * 2 = 7 sementes na cesta

Resposta: A cesta continha 7 sementes.

 

Fácil, não é?!  Aqui em casa, o G diz que até com as soluções não chega lá!  

13
Set19

desafio de escrita dos pássaros #1

Dona Pavlova

"Problemas, só problemas"... adoro resolver  problemas de matemática, daqueles que nos queimam os miolos até ficarmos a cheirar a porco queimado (neste caso porca). Pode parecer estranho, mas este tipo de exercício relaxa-me e faz-me desligar de outros problemas do dia a dia. Também são uma ótima forma de exercitar a mente. 

Posto isto, trago 2 problemas que, prometo, vos irão ajudar a fugir dos outros "problemas" mais sérios dos nossos dias. 

Vamos lá resolver estes onde entram os pássaros: 

1 - A Magda deu à Alexandra e à Caracol algumas sementes. Posteriormente a Caracol deu metade das suas sementes à Alexandra, depois a Alexandra deu metade das que tinha à Caracol. Quantas sementes deu a Magda à Alexandra, se agora ela tem 17 sementes e a Caracol tem 9 sementes? 

2 - A Drama Queen  e a Fatia Mor ficaram chateadas por não terem entrado no problema 1 e resolveram levar uma cesta cheia de sementes aos 3  pássaros restantes. À Just Smile deram metade das sementes e mais meia semente. Para a Mula, deram metade das sementes que sobraram e mais meia semente. Para o Coiso, deram metade das sementes que sobraram e mais meia semente, ficando sem nenhuma semente. Quantas sementes havia na cesta?

Quem acertar nos dois ganha uma semente de girassol gigante!  

Espera lá, mas isto era para escrever sobre "Problemas, só problemas"... será que eram de matemática?!

É que a palavra "Problema", nos dicionários, é definida como  uma questão que se propõe ser resolvida, algo difícil de explicar, compreender ou fazer, uma questão,  uma dúvida  ou dificuldade. 

Sendo assim, parece que estou no caminho correto e assim fica  despachado o #1 Desafio dos Pássaros. 

A solução será colocada no dia 17.

 
 
10
Set19

Gato na montra

Dona Pavlova

E se eu vos disser que, aqui na minha santa terrinha, numa das ruas principais da cidade, há uma montra especial? 

69754478_3518077031551593_454234027533008896_n.jpg

Isto é a montra de uma ouriversaria que tem lá, todos os dias, este lindão... quem passa por lá delicia-se e ele fica todo contente. Durante o dia está lá quase sempre, ora a dormir, ora a ver as pessoas e os carros a passarem. Se não estiver lá, anda dentro da loja a passear. A cama, essa, está lá sempre para o seu dono. É muito engraçado...

É a companhia da dona e anda sempre com ela, quer  em casa, quer  na loja.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D