Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dona Pavlova

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Dona Pavlova

Este é um blog sobre tudo e sobre todos... Culinária, Fitness, Moda, Viagens, Desporto, Atualidade, Animais, Ensino, Entretenimento, Fotografia, etc...

Desafio de escrita dos pássaros #10

Dona Pavlova, 15.11.19

Já chegámos? Já chegámos?

 Que raio de pergunta, é claro que já chegámos ao desafio 10. E tem sido um desafio incrível e muito desafiante, principalmente pelos temas que são autênticos enigmas.

Vamos lá  relembrar o percurso até aqui:

Tema 1 “Problemas, só problemas” – e quem não os tem que atire a primeira pedra a estes pássaros. Problemas é o que nos têm criado com estes temas tão ambíguos e caricatos.

Tema 2 “ O amor e um estalo” – quanto mais me bates mais eu gosto de vocês meus queridos pássaros, ou seja, quanto mais difíceis são os temas, mais eu gosto da passarada.

Tema 3 “ uma aventura/momento que te tenha marcado” – sem dúvida ter tido a feliz ideia de participar nesta passarada. ;)

Tema 4 “A Beatriz disse que não. E agora?” – A Beatriz é que fez bem e não entrou na vossa passarada. Ela é que foi esperta. Agora só lê os posts às sextas e, com tanta palhaçada, fica bem disposta para o fim de semana.

Tema 5 “Estás na fila para o purgatório e Hitler está à tua frente. Ninguém o quer aceitar e a fila não anda. Escreve a tua intervenção para convencer um dos lados a aceitá-lo.” – Eu quero lá saber para onde  o bigodito vai e se não o querem lá? Eu quero é saber o que eu vou escrever para sexta-feira.

Tema 6 “Escreve uma história romântica baseada no clássico "O Amor, uma cabana… e um frigorífico" – isso era mesmo aquilo que vocês pássaros deviam oferecer a cada um de nós no fim deste desafio. Precisaremos de descansar os neurónios, sem dúvida nenhuma...

Tema 7 “A Constança precisa duma mascara capilar mas o teu patrão só quer que vendas compotas de abóbora com amêndoa. Convence-a  a escolher a compota para usar” – ó meus queridos, o pássaro que teve a ideia para este tema só podia estar com comichão na cabeça enquanto se refestelava com uma fatia de pão de centeio com doce de abóbora. É que só pode!

Tema 8 “Escreve uma carta para a criança que foste”- para a criança que foste, para a criança que és e para a criança de hás-de ser. Isso sim, era um grande tema...

Tema 9 “Acordaste nu, sem te recordar de nada, numa ilha deserta” – é para onde eu quero ir já, para uma ilha deserta, com calor e água quentinha. Pagam os pássaros, claro está!!!

Tema 10 “Já chegámos? Já chegámos” – sim, chegámos ao 10 e parece impossível. Já andamos aqui há 10 semanas e ainda não me saiu nada de jeito. Só asneiras e tontices, mas posso-vos dizer que estou a adorar escrever estes temas malucos e ainda estou a adorar mais ler o que os outros maluquinhos como eu escreveram...

Desafio de escrita dos pássaros #9

Dona Pavlova, 08.11.19

Tema: Acordaste nu, sem te recordar de nada, numa ilha deserta

Acordei, abri os olhos e olhei para cima. Só vi o azul do céu! Sentei-me e senti um peso diferente... senti-me diferente! Olhei para  a frente e vi nada, absolutamente nada!!! Estava num vazio, só areia, o ceú e eu.  Onde é que eu estava?!

 

Levantei-me e dei conta que tinha pelos nas pernas... boa, esqueci-me de “desbastar” as pernas. Subi os olhos e vi uma coisa ao “pendurão” e com muitos pelos, muito feia! Pensei que devia ter ido à esteticista porque os “pentelhos” já encaracolavam e agarravam tudo o que lhes aparecia à frente! Mas será que agarrou um pénis moribundo?! Era o que ali estava, um pénis feio ao “pendurão” enrolado num cachecol preto muito farfalhudo. Olhei para cima e faltava-me aquelas duas mamas que eu tanto gostava e que me custaram os olhos da cara (ainda estão a custar, pois ainda estou a pagar o empréstimo). Tinham desaparecido!!! Para onde foram?!

Fiquei em choque! E agora?! Sou um HOMEM às antigas, com muito pelo na venta e não só! E logo eu que gostava deles todos depiladinhos... Deve ter sido castigo, só pode... tanto desejei ser homem que Deus me transformou neste ser  peludo e horroroso.

A última coisa que me lembro foi a discussão acesa que tive com o Francisco, onde ele defendia as mentes que defendem que a mulher que gosta de sexo é puta e que  aquela que anda com este e aquele é uma putona. Quanto ao homem é um garanhão.

Eu só me lembro de lhe dizer: “Quem me dera ser Homem!” E parece que o meu desejo foi concedido. Só espero que ele agora seja a Francisca e que veja o que é bom para a tosse. Podia começar já por lhe vir o período ;)

Agora pensando melhor, ai que bom... vou poder andar por aí a comê-las todas e não ser olhada de lado, vou poder ter pelos e ninguém pensar que sou uma aberração, vou poder sentar-me todo aberto e coçá-los à descarada... Agora sim, vou ser Feliz!!!

Só tenho é que arranjar aí umas gajas para papar e ver se isto funciona ;)

 

Finalista dos Sapos do Ano

Dona Pavlova, 01.11.19

Sem saber bem como e apanhada totalmente desprevenida, fui nomeada para os “Sapos do Ano 2019” na categoria Culinária e Nutrição.  E querem saber de uma coisa? Sou FINALISTA.

As minhas comparsas e adversárias são: 

A Nitricionista

https://anitricionista.blogs.sapo.pt

Belita

https://belitaarainhadoscouratos.blogs.sapo.pt

  

Mamã Paleo

https://mamapaleo.blogs.nit.pt/

Sabores da Minha Cozinha

https://saboresdaminhacozinha.blogs.sapo.pt/

 

Fui, também, desafiada a fazer a minha campanha eleitoral, mas fiquem desde já a saber que não compro votos, não ofereço brindes nem refeições.

Obrigada a quem votou e a quem votará em mim. 

Acompanhem tudo aqui.

Desafio de escrita dos pássaros #8

Dona Pavlova, 01.11.19

Tema: Escreve uma carta para a criança que foste

 

Olá, tudo bem?

Quero começar esta carta por te dar os parabéns por todas as tuas  conquistas ao longo destes anos. Tudo podia ter sido muito diferente e corrido mal, muito mal, mas acabou por correr tudo bem, muito bem.

Foste uma criança saudável e feliz. Com alguns contratempos, mas que acabaram por se  resolver com o tempo.

Brincaste muito, com um grupo de crianças fenomenal, onde todos eram amigos e foi uma lição para a vida. Sempre foste “maria rapaz” e jogaste muito futebol, jogaste às escondidas, andaste de bicicleta e de skate, jogaste às cartas, ao berlinde e ao prego. Caíste muitas vezes, mas levantaste-te sempre.  Que infância feliz que tiveste e que belo começo de vida, rodeada da família e dos amigos.

 

Nunca ligaste muito à escola, o que ouvias chegava para ires passando, mas acabaste por tirar uma licenciatura naquilo que sempre quiseste  e com a média que desejaste. Neste momento, tens o emprego que sempre quiseste e sonhaste. Custou, mas sem esforço e dedicação nada vale a pena...

 

Sempre me disseram que  na vida, fazer o que se gosta é caminho andado para se ser feliz. É o que tenho tentado fazer e digo-te que és uma adulta satisfeita e feliz com a vida. Quem diria!!!

Não me arrependo de nada do que fiz e poucas coisas fazia de diferente, por isso, continua  esta longa jornada a divertir-te e a sorrir (como sempre fizeste).

Tenho muito orgulho em ti. 

 

Beijos grandes,

Da tua  “eu quarentona”

 

Desafio de escrita dos pássaros #7

Dona Pavlova, 25.10.19

Tema: A Constança precisa duma mascara capilar mas o teu patrão só quer que vendas compotas de abobora com amêndoa. Convence-a  a escolher a compota para usar

 

A Constança olhou para o espelho do elevador e nem queria acreditar no que viu... um viajante a andar de um lado para o outro naquela cabeça tonta. Que susto que apanhou!!!

Foi logo a correr para a farmácia e cheia de vergonha disse que queria um champô para a pediculose para uma familiar. Lá lhe deram um champô e ela cumpriu o tratamento, mas como era muito forte, deu-lhe cabo do couro cabeludo e ficou com o cabelo uma lástima.

Foi a uma loja de produtos naturais e perguntou se recomendava alguma máscara capilar para apaziguar e retomar a bela e farta cabeleira que tinha.

A Dona Pavlova, funcionária da loja, cumprindo as ordens do patrão, só podia vender, naquele dia, compota de abóbora com amêndoa. Se cumprisse o volume de  100 frascos nessa semana ganhava 3 semanas de férias... e como lhe sabiam bem umas feriazitas!!! Para a convencer, disse-lhe que tinha um produto muito bom, um “2 em 1” que era uma compota e ao mesmo tempo uma máscara capilar comestível. Era remédio santo e numa semana o cabelo ficava totalmente recuperado e lindo. Só tinha que comer ao pequeno-almoço e ao jantar 4 colheres de sopa da dita compota e untar o cabelo massajando bem. Depois para retirar, devia esfregar com pão de centeio e comer. Devia fazer isso todos os dias durante  7 dias. Reiterou que logo nessa semana via os resultados e ia ficar hiper satisfeita.

Ainda que com certas incertezas, a Constança lá comprou 3 frascos e foi para cassa a correr, mortinha por experimentar. Cumpriu à risca com todas as indicações e depois de 1 semana ficou com outro problema para se preocupar: já não cabia nas calças, engordou 3 kg e engordou também os piolhos!

 

Desafio de escrita dos pássaros #6

Dona Pavlova, 18.10.19

Tema: Escreve uma história romântica baseada no clássico "O Amor, uma cabana… e um frigorífico"

Para celebrarem o aniversário do namoro, o João e a Joana compraram um barco insuflável a remos e partiram num cruzeiro romântico pelo rio abaixo. Fizeram o treino matinal de superiores, apanharam sol, beberam champanhe e comeram morangos com chantilly, até que adormeceram agarradinhos, felizes e bêbedos.  Quando acordaram já andavam à deriva no meio do oceano. Começaram a ouvir um barulho estranho “puffffffffff” e deram conta que o barco começou a perder ar e a meter água. Iam naufragar....

Estavam a chegar a uma ilha deserta, no meio do nada, quando o barco “puf”, foi ao fundo. Nadaram e conseguiram chegar até à ilha. Eram náufragos, mas não tinham nenhuma bola de voleibol, apenas a roupa no pêlo e amor, muito amor...

Passado umas horas, caíram na real,  começaram a pensar e construíram uma cabana, mas daquelas de luxo, que são agora tendência, chamada “glamping” e que de campismo não têm nada.

Apenas utilizaram materiais que havia na ilha. Construíram um t2, com 127m2, cozinha com churrasqueira, uma casa de banho com uma banheira infinita e , vejam bem, um closet  para guardarem os tapa cús e afins que iam fazendo com as folhas de palmeira.

Estavam felizes e durante dias nem se lembraram que eram náufragos, mas começou a faltar-lhes algo:

- Ó João, apetecia-me algo... – disse a Joana.

- Queres que te vá buscar alguma coisa?

- O que eu queria era algo bom, que me matasse a sede.

O João pensou, pensou e disse: - Compreendo senhora. Para dizer a verdade já tinha pensado que o que nos fazia mesmo falta era um frigorífico. Imagina agora umas loirinhas bem fresquinhas... até podiam ser Sagres, marchava tudo!!!

- Ó João, como me conheces bem! É isso mesmo! O que me apetecia agora era mesmo uma mini... Amo-te tanto meu amor! Sabes sempre aquilo que preciso.

Passado uns meses, uma lancha da polícia marítima parou na ilha e viu-os. Perguntou-lhes se precisavam de ajuda e eles disseram que a única coisa que precisavam era de um frigorífico e de umas minis fresquinhas. No dia a seguir, já lá tinham o frigorífico cheio de loirinhas e todas as terças- feiras chegava um novo carregamento.

Já tinham tudo o que precisavam e claro, viveram felizes para sempre!

Até eu vivia...

 

 

 

Aracnofobia

Dona Pavlova, 13.10.19

Para quem me conhece, sabe que sou uma das duronas, podem vir cobras, lagartos, leões e o resto do mundo animal que eu fico serena. Mas, meus senhores e senhoras, metam-me uma aranha à frente que eu fujo a sete pés...

E não é que na churrasqueira da casa da minha irmã eu começo a ver, ao longe, uma teia de aranha enorme. Já sei que onde há teia há aranha (esse bicho nojento e desprezível). Então fui valente, aproximei-me e vi isto:

IMG_0740.jpeg

IMG_0737.jpeg

Que nojo! Feia, enorme, nojenta... bem, até é um bocado gira, peluda e pestanuda!  Parecia uma tarântula.

Saí de lá e disse à minha irmã que tinha uma tarântula na churrasqueira, peguei nas minhas coisas e fui-me embora, antes que a gaja me atacasse. 

Hoje fui lá outra vez e a primeira coisa que fiz foi ir ver a minha "amiga", mas já lá não estava. Nem perguntei à minha irmã o que lhe fez e é melhor nem saber. Imaginem que ela diz que a dita cuja fugiu e anda por lá?! Nunca mais lá ponho lá os pés!

ODEIO ARANHAS!!! Não é medo, é mesmo ÓDIO!!!

 

desafio de escrita dos pássaros #5

Dona Pavlova, 11.10.19

Tema: Estás na fila para o purgatório e Hitler está à tua frente. Ninguém o quer aceitar e a fila não anda. Escreve a tua intervenção para convencer um dos lados a aceitá-lo.

Então mas esta merd@ não anda??! Quero ir ver a novela e está a começar... Fónix, mas quem é que este gajo pensa que é, com aquele bigodito à putanheiro! O quê?! Como assim, não o querem “despurgar”... e já viram bem quem está atrás de mim? A Cristas e os restantes “tacheiros” que andam pela política do nosso país! Se assim for  e não os quiserem aceitar, estamos todos f@didinhos… eles voltam para a cena e quem se lixa somos nós. 

Vá, andem lá, deixem-nos entrar e vamos todos comer uma bela feijoada brasileira naquele tacho onde todos  comem e quem paga é o Zé Povinho! Além disso, no fim, ainda fumamos um gás daquele que faz rir e esquecer os problemas do dia a dia. Já chega, deixem-nos entrar!!!

Ide todos na paz do senhor!!! 

 

desafio de escrita dos pássaros #4

Dona Pavlova, 04.10.19

 

A Beatriz disse que não. E agora? O que vou fazer para o almoço? Já tinha umas codornizes a descongelar...

Não sei se faça carne, peixe ou “assim assim”. Ela é esquisita e peixe só se for grelhado ou então um bacalhau com natas, umas pataniscas ou polvo à lagareiro (o seu prato predileto). Não tenho cá polvo nem bacalhau e não me apetece ir acender o lume para grelhar, por isso peixe fica fora de questão.

Vamos à carne, uns peitos de frango grelhados com ananás e uma salada mista era boa ideia... mas o que me apetecia mesmo era uma feijoada ou um rancho, daqueles que só a minha mãe faz. Mas não tenho tempo nem cá tenho o porco! E umas alheiras de caça no forno com um arroz de feijão? Ai que já estou cheio de fome, ela está a chegar e ainda não faço ideia do que vou fazer.

Se calhar faço uma  wok de vegetais ou uma quiche... Acho que vou ali ao pc àquele blog daquela miúda que faz umas receitas deliciosas e que tem o nome daquela sobremesa que eu adoro e que agora não me lembro o nome... Ah, já sei, Dona Pavlova! É isso mesmo! Ui, tantas coisas deliciosas, deixa cá ver uma coisita rápida...

Faltam 10 minutos para a Beatriz chegar e eu não fiz nada outra vez! Olha, quero lá saber, vou é ali buscar um pito assado... Pensando melhor, não tenho tempo e quando ela chegar não estou em casa e ela vai pensar que fugi.

Vou fazer-lhe uma surpresa e vou levá-la a almoçar fora ao seu restaurante favorito e comer “Sushi”. Ela não vai dizer que não e eu safo-me, digo que era mesmo o que me estava a apetecer...

As mulheres são umas complicadas!!!

 

desafio de escrita dos pássaros #3

Dona Pavlova, 27.09.19

 No penúltimo dia de férias,  como planeado anteriormente, lá fui eu a Coimbra levar a 1ª pica na nádega direita. Seguiu-se um dia de praia incrível com tudo a que tive direito.

No dia seguinte, dia de regresso a casa e passagem por Coimbra para a 2ª pica, desta vez na nádega esquerda. O meu rabo, nesse dia, valia milhares de euros ;) Tinha um rabo que era uma preciosidade ;).

Seguiu-se a chegada a casa e os afazeres do regresso das férias. A somar a isto, tive que fazer uma malinha minúscula, apenas com o essencial para ir passar os próximos ¾ dias no quarto do castigo, totalmente isolada, para o tratamento com iodoterapia (Iodo 131).Resultado de imagem para iodoterapia

 Cheguei em jejum, tomei as “bombas”, despedi-me dos meus entes e lá fui eu para o quarto do castigo, ou melhor, uma suite toda ela forrada com papel aderente, assim como o wc. Duas janelas trancadas, uma cama, uma tv e mais nada. Tinha regras bem definidas, como puxar o autoclismo pelo menos 3 vezes, quando batiam à porta para me trazerem a alimentação ou para me medirem a radiação tinha que ir para o local mais afastado do quarto e fazer bochechos com sumo de limão para facilitar a salivação (esta foi a parte que menos me custou, pois adoro limão).

É claro que aqui a menina tinha que ter os efeitos secundários todos a que tinha direito e mais alguns incluindo vomitar, dor e inchaço nas glândulas salivares e espasmos. Foi um pincel para me irem colocar o soro, pois não me conseguia alimentar. Que filme!

Passado 3 dias lá vou eu para casa, com indicações de não me aproximar das pessoas e estar a pelo menos 2metros de distância, comer e beber em utensílios descartáveis que depois iam para o lixo e evitar estar no mesmo compartimento que outras pessoas... O meu marido foi-me buscar numa carrinha, ele à frente e eu o mais longe possível nos bancos de trás. Quando não podemos é quando nos apetece abraçar, falar, rir, brincar... Sentia-me um alien, mas apenas estava radioativa. Isto durou 10 dias.

Este momento marcou-me muito e todos os dias, além de só dar valor ao que e a quem realmente interessa, a primeira coisa que faço quando acordo é abrir a janela, meter a cabeça de fora e snifar o ar frio para sentir que estou bem e acima de tudo, viva!